segunda-feira, 2 de maio de 2011

BRT OU MONOTRILHO?

Estação do BRT da Cidade de Guayaquil/Equador.


Na semana passada, entre os dias 25 a 28 de abril, tive a oportunidade de participar do Congresso “As Melhores Práticas em Sistemas Integrados e BRT na América Latina” - SIBRT 2011, realizado na cidade de Guayaquil, no Equador. O evento foi uma organização da Associação Latino-America de Sistemas Integrados e BRT – SIBRT, com co-organização da Rede EMBARQ e Fundação Metrovía, de Guayaquil.

Reunindo mais de 150 participantes de diversos países da América do Sul, América Central, Europa e Ásia, vários representantes de agências de transporte público apresentaram suas melhores práticas no setor, contribuindo de forma efetiva a todos os presentes no evento. Quem esteve presente pode conhecer projetos já implementados e os que estão sendo desenvolvidos em diferentes países. Para a maioria dos participantes, os Sistemas Integrados e BRTs já é considerado como a melhor alternativa para o transporte urbano sustentável.

Abaixo, depoimentos de alguns participantes:

Daniel Marx Couto, da BHTrans, de Belo Horizonte, Brasil.
“Essa foi uma ótima oportunidade de reunir representantes de cidades que estão em situações diferentes em termos de população e recursos disponíveis, o que é importante para que cada um deles conheça os diferentes projetos para que implantem em suas cidades aqueles que mais se encaixam em suas realidades. Isso, seguramente, vai colaborar com a melhora no transporte coletivo na América Latina”.

Marcos Isfer, Secretário Geral da SIBRT, de Curitiba, Brasil.
“É maravilhoso ter essa oportunidade de compartilhar as experiências de sucesso na implantação desses sistemas, mostrando aos gestores de transporte público que essa é a solução do transporte sustentável”.

Carlos Dora, em sua palestra Transporte Público e Saúde.
“Se esse grupo de representantes de agências gestoras de transporte público fizerem as avaliações, do antes e do depois da implantação desses sistemas, em relação as melhoras na qualidade de vida e na saúde das pessoas, eles podem mudar as percepções das políticas públicas desse setor”.

Para o diretor estratégico da EMBARQ para a América Latina e diretor executivo da SIBRT, Luis Gutiérrez, o Congresso cumpriu com o seu objetivo, pois ofereceu a troca de experiências e melhores práticas entre os gestores de sistemas integrados e BRT.

 Solenidade de Abertura do SIBRT Guayaquil 2011.

Em Manaus, dois sistemas de transportes público estão sendo apresentados para serem implementados na cidade: o Monotrilho, do Governo Estadual, e o Bus Rapid Transi-BRT, da Prefeitura de Manaus.

O primeiro, o Monotrilho, ainda não tive a oportunidade de usar e nem de conhecer esse sistema na prática. Sobre o projeto proposto para Manaus, me reservo ao conhecimento tão somente do que foi divulgado pelos meios de comunicação, regados a grandes dúvidas sobre a sua eficácia, tempo e custo de construção e tarifa.

O segundo, o BRT, cuja proposta vem sendo defendida pela Prefeitura de Manaus, conheço com um pouco mais de propriedade. Já tive a oportunidade de conhecer, usar e estudar na prática esse Sistema Integrado de Transporte Público, como os implantados nas cidades de Curitiba, São Paulo, Cidade do México, Guayaquil e Quito, além dos projetos em estudo de cidades brasileiras que irão implantar até a Copa de 2014 e de alguns países cujos projetos foram apresentados durante o Congresso de Guayaquil.

Entre as duas propostas, por vários motivos e por tudo que venho conhecendo, cada vez mais me vejo convencido de que a proposta ideal para Manaus é o BRT. Cidades que já implantaram o sistema integrado de BRT têm demonstrado grande satisfação por parte de seus gestores e da população, colhendo bons resultados. Um dos motivos para que nove, entre doze cidades-sede da Copa de 2014, tenham escolhido essa modalidade para implantar em suas cidades.



Acompanhe Claudemir pelo Twitter e Facebook

4 comentários:

  1. Eu sou a favor do BRT, mas acho que não existe a pergunta "BRT ou Monotrilho", a imprensa que trouxe essa "disputa" por se tratar de governos diferentes. Fica bem claro, pelos menos no discurso, que ambos se complementariam(na teoria, já que na prática, não parece haver diálogo entre os governos)
    Uma coisa é certa, dos dois o BRT é o único que realmente funciona com transporte público de massa. O Monotrilho, como no resto do mundo, não passa de um sistema segregado a pequenas áreas, como um centro financeiro ou parque temático. Como sistema único de transporte nunca foi utilizado no mundo.
    O BRT sofre preconceito por ser ônibus, e o brasileiro tem ainda a idéia "ônibus/pobre - sobre trilhos/rico", e ainda temos a experiência do Expresso. Mas a falha do antigo sistema não é cupa do sistema, mas sim de quem não planejou direito ou não executou(longa história).
    Enfim, deixemos a disputa "BRTxMonotrilho" para os jornais. Podíamos discutir por que, depois de tanto tempo, não existe "diálogo" entre os projetos? Como vai funcionar a integração dos sistemas? Vai ser implantado o sistema binário(acho que deveria), já que isso influência no projeto. Vamos finalmente ter mapas e rotas de ônibus nos Pontos de ônibus, algo extremamente simples de fazer. E tantas outras perguntas que precisam ser respondidas.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo Sussuarana3 de maio de 2011 20:02

    Sinceramente não creio que o monotrilho seja pra Manaus agora. A grande pergunta é: Vale a pena implantá-lo para o futuro? Não acho. Manaus tem uma densidade demográfica muito baixa. Creio que o BRT, inclusive com tecnologia de ponta para controle e aferição de sua efetividade, resolve o problema hoje com outras medidas e MUITO, MAS MUITO dinheiro. Abrir vias, ampliar as já existentes, criar ciclovias em toda a cidade como alternativa de transporte individual, modificar legislação, abrir estacionamentos, restringir automóveis em determinadas áreas, tudo isso junto. Pelo que ouvi o monotrilho teria um subsídio enorme e por muitos anos. Isso também é um ponto a se levar em consideração.

    ResponderExcluir
  3. Marcelo,

    Eu coloquei o Monotrilho na discussão pois ele esta em pauta, mas concordo com você. Se o dinheiro "do Monotrilho" fosse investido todo no BRT e mobilidade alternativa, poderíamos ter um sistema perfeito a médio prazo. Outro dia, parado em congestionamento, notei que nossa principal avenida, a Djalma Batista, não tem calçada! E quando chove, se você não tem bote, morre afogado. Não é só transporte público, o problema de Manaus é a sua mobilidade como um todo. Outra coisa, se o BRT se limitar a colocar corredor exclusivo em algumas vias, não vai mudar nada. Temos que repensar TODAS as linhas de ônibus, melhorar a sinalização (ônibus coloridos, de acordo com região, por exemplo), mapas e rotas nos pontos. Faz um concurso público para novo design gráfico dos ônibus e identidade visual do sistema, é tão difícil de fazer? Temos talentos do design em Manaus. Hoje, não existe padrão, rotas confusas e longas. Isso só para ficar nestas duas questões. Na minha opinião, um dos maiores problemas do sistema de Manaus é que nosso Terminal Central não fica no centro da cidade, fica no sul! Manaus cresceu e esqueceram de levar isso em consideração. Para a logística, o terminal no Centro Antigo não faz sentido, sem contar que aquela região não tem capacidade estrutural para receber. Enfim...

    ResponderExcluir
  4. Marcelo Sussuarana6 de maio de 2011 08:44

    Tu leste minha monografia! Hahahaha.
    Lembro que na época da hiperinflação a gente olhava pro Brasil como sem solução. Afinal vários presidentes e ministros não conseguiam resolver o problema da inflação. No entanto, bastou aparecer uma pessoa, certamente com conselheiros racionais (não estou dizendo que foram a perfeição) e fizeram o Plano Real. Vejo a situação urbanístico-política (rs) de Manaus da mesma forma. Não é preciso um salvador da pátria, somente um administrador que pense tecnicamente e atue. Quanto ao centro, fecha ele pra balanço e não abre mais (pra ônibus e carros)rsrsrsr

    ResponderExcluir

Registre aqui o seu comentário. Obrigado